É aquela na qual o individuo exterioriza gradativamente partes do seu psicossoma (corpo emocional) em áreas específicas. Braços, pernas, tronco, individualmente ou continuamente, ocorrendo mais raramente a projeção da paracabeça. Esta projeção faz com que a pessoa tenha a sensação de que há em seu corpo uma segunda mão, segundo braço, etc.

Para o experimento, deve-se passar por um período de auto-relaxação física e mental. Cerrando as pálpebras o experimentador deve voltar sua atenção para um seguimento ou parte específica do seu corpo humano, aplicando através de sua vontade íntima, o comando para que tal parte manifeste-se para cima, lembrando que seu corpo humano deve permanecer estático. Após sentir que certo seguimento esteja deslocado, a atenção deve ser voltada para a parte seguinte a ser projetada. Sem apressar o processo, o experimentador deve levar o mesmo comando para todas as partes de seu corpo, querendo que seus segmentos extrafísicos saiam pouco a pouco de seu estado de coincidência (encaixe) dos corpos.

Ao alcançar sucesso na projeção fragmentada, o experimentador está preparado para projeção pelo psicossoma inteiro na dimensão extrafísica.