Conheça a técnica de “só mais um ano de vida” para repensar conceitos e valores

Ana recebe a pesquisadora do Instituto Internacional de Conscienciologia e Projeciologia Malu Balona Acidentes graves, riscos de vida, perigos iminentes: o que acontece na nossa mente quando passamos por momentos extremos? Para tentar desvendar os segredos da nossa consciência, Ana Maria recebeu na casa de cristal a pesquisadora do Instituto Internacional de Conscienciologia e Projeciologia, Malu Balona. O IIPC estuda as diversas manifestações da consciência, da experiência fora do corpo ou de experiências de “quase morte”.

Malu explicou o conceito da instituição: “Ela nasceu pela necessidade de estudos científicos desses temas. A única resposta era sempre pela luz da religião. Considero que isso seja uma campanha de utilidade pública. Milhões de pessoas passam por essas experiências e ficam com muitas dúvidas. Será que todos ainda precisamos passar por experiências assim? Temos que mudar nossos pontos de vistas e valores. Existem técnicas para conseguirmos essas mudanças. A ciência tem a metodologia para atingir certos resultados”, disse.

Ana Maria quis saber algumas dicas para que as pessoas não precisem passar por situações trágicas. “A ideia é olhar para dentro de si e para as outras pessoas. Estudamos as técnicas de viver”, explicou.

Essa técnica, segundo ela, consiste em supor que a pessoa vai viver só mais esse ano. A partir dessa questão, vêm outras, como: o que eu gostaria de realizar? O que eu escolheria fazer? De quem eu gostaria de estar próximo? Que palavras eu diria a alguém que já me ajudou tanto? Para quem eu pediria desculpas? A quem eu agradeceria? Por onde eu começaria?

Segundo a instituição, essa técnica serve para a pessoa se voltar para as suas necessidades íntimas.

“Existe um conceito universal de que quando você é mais útil aos outros, você é mais feliz. Depois que você pega o gosto, não quer mais deixar isso para trás. Com uma palavra você pode mudar o destino de alguém para melhor”, lembrou Malu.